facebooklinkedin
Publicidade
:: Home :: Notícias :: China se consolida como principal parceiro comercial do País
Notícias Veja mais
China se consolida como principal parceiro comercial do País - 15/02/2021

Claudia Trevisan, O Estado de São Paulo

 

Hoje é difícil acreditar que no icônico ano 2000 a China não aparecia entre os dez maiores parceiros comerciais do Brasil e era destino de apenas 2% das exportações nacionais. Os Estados Unidos lideravam o ranking, com participação de 24%.

O boom de commodities desencadeado pela voracidade da China por matérias-primas e soja catapultou o país para a quarta posição entre os clientes brasileiros em 2004 e para a terceira em 2008. No ano seguinte, na esteira da crise financeira global que atingiu em cheio os Estados Unidos, a China destronou o tradicional parceiro do Brasil e assumiu o primeiro lugar, onde se mantém até hoje, com liderança cada vez mais sólida.

Em 2020, sob o impacto da covid-19, a China foi um dos poucos países a aumentar a demanda por produtos brasileiros, o que ampliou ainda mais sua importância relativa. A pauta continua concentrada em três itens – soja, minério de ferro e petróleo –, que representaram 74% das exportações nacionais para o país asiático no ano passado (os dados excluem Hong Kong e Macau).

Mas a China é o principal mercado para vários outros segmentos da economia brasileira. Sete dos dez principais produtos de exportação em 2020 tiveram como destino o país asiático. Além dos três mencionados, a China foi o maior comprador de açúcar, carne bovina, celulose e carne de frango.

Nós vivemos um incipiente processo de diversificação da pauta nas exportações do agronegócio para a China, com aumento do valor agregado dos produtos. Essa tendência deve se acentuar com a esperada elevação do grau de urbanização e da renda per capita do país.

O movimento abre oportunidades para empresas brasileiras explorarem novos nichos de mercado e se aventurarem no e-commerce chinês, o maior do mundo, com transações de US$ 1,9 trilhão em 2020.

Além de sua relevância para setores importantes da economia, o comércio com a China também ajudou a reforçar a posição externa do Brasil, com entrada de divisas e expansão das reservas internacionais. Desde 2000, a balança bilateral só foi deficitária para o Brasil em três anos.

Na última década, o País acumulou US$ 170,5 bilhões em superávit com a China, o que representou 48% de nosso saldo positivo com todo o mundo no mesmo período. Com o recorde de exportações de 2020, a China respondeu por inéditos 66% do superávit comercial brasileiro.

 

A notícia foi publicada em 14 de fevereiro de 2021, no portal do O Estado de São Paulo.

https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,china-se-consolida-como-principal-parceiro-comercial-do-pais,70003616295
Calendário de eventos
Abril
  • 20
    16ª Feira Exposição...
    Linhas de produtos e/ou serviços : comércio,...
  • 26
    15ª FIMMA Brasil 2021
    Linhas de produtos e/ou serviços : evento internacional de...
  • 27
    Energy Tech Summit 2021
    A Energy Tech Summit trará os principais investidores globais em...
  • 27
    Reunião: ESG e suas...
    O Conselho de Câmaras Internacionais de Comércio -...