facebooklinkedin
Publicidade
:: Home :: Notícias :: China toma o lugar do Brasil como principal parceiro comercial da Argentina
Notícias Veja mais
China toma o lugar do Brasil como principal parceiro comercial da Argentina - 15/06/2020

Por Marcelo Rech (InfoRel) - A China tomou o lugar do Brasil como principal parceiro comercial da Argentina durante o mês de abril a balança comercial bilateral registrou um superávit para os argentinos de US$ 98 milhões, depois de anotar sucessivos déficits de US$ 263 milhões em março, US$ 385 milhões em fevereiro e US$ 468 milhões em janeiro. As informações são da Câmara de Exportadores da República Argentina (CERA).

De acordo com o informe elaborado pela CERA, a tendência al equilíbrio desde o início do ano, em meio ao impacto da propagação do coronavírus, se produziu tanto por uma baixa nas importações desde a China como de um incremento dos embarques para esse país.

A importação de produtos chineses somou US$ 411 milhões em abril, sendo US$ 61 milhões a menos que em março, o que representou uma queda interanual de 40,3%. A análise da CERA mostrou um forte retrocesso nas importações da China, que em fevereiro alcançaram US$ 580 milhões, em janeiro somaram US$ 750 milhões e no ano passado oscilaram entre US$ 616 milhões e US$ 950 milhões mensais.

O ingresso de produtos chineses na Argentina em abril, ficou praticamente na metade da média mensal de 2019, e pouco mais de um terço dos níveis de 2017 e 2018. As exportações de produtos argentinos para a China, por outro lado, chegaram aos US$ 509 milhões em abril e registraram aumento de 50,6% interanual. Essas remessas experimentaram uma forte recuperação contra os US$ 225 milhões de março, os US$ 195 milhões de fevereiro e os US$ 282 milhões de janeiro.

Entre os principais itens exportados para a China, destaque para o feijão de soja (52% do total de vendas); carne congelada e desossada (29%); camarão (8%); gorduras e óleos animais ou vegetais (6%).

A Câmara de Exportadores detalhou que em abril a China foi o primeiro parceiro comercial da Argentina ao deslocar o Brasil, com 11,7% do total de vendas (em março a participação foi de 5,1%) e com 14,1% de importações (o mês anterior foi de 14,9%). Essa situação também refletiu o colapso do câmbio comercial entre Argentina e Brasil, de 44,7% em relação ao ano anterior.

http://inforel.org/china-toma-o-lugar-do-brasil-como-principal-parceiro-comercial-da-argentina
Calendário de eventos
Julho
  • 13
    6ª Latin American Electronics
    Linhas de produtos e/ou serviços : eletroeletrônicos,...
  • 20
    NRF NXT All ACCESS
    Evento online de três dias para profissionais de comércio...
  • 21
    30ª Feira Brasileira de...