facebooktwitterlinkedinyoutuberss
Publicidade
:: Home :: Notícias :: Governo de SP assina contrato para sediar Fórum Econômico Mundial para a América Latina
Notícias Veja mais
Governo de SP assina contrato para sediar Fórum Econômico Mundial para a América Latina - 22/11/2017
Governador Geraldo Alckmin ao lado do prefeito João Doria no Palácio dos Bandeirantes (Foto: Lívia Machado/G1)

O governo de São Paulo assinou, na tarde desta segunda-feira (6), contrato para que a capital paulista sedie a próxima edição do Fórum Econômico Mundial para a America Latina.

O evento ocorrerá nos dias 13, 14 e 15 de março de 2018, no Hotel Grand Hyatt, na Zona Sul, e irá debater temas relacionados à realidade brasileira e à 4ª revolução industrial.

A cerimônia desta segunda formalizou o convite feito ao estado em abril deste ano, durante a última edição do evento, em Buenos Aires.

"Vamos estar em um momento importante para a América Latina, quando oito países da região elegem os seus presidentes, e há a necessidade de encontrar novas fontes de crescimento econômico para levar bem-estar social para a população latino-americana", disse Marisol Argenta, chefe do Fórum para a América Latina.

O acordo foi firmado pelo governador Geraldo Alckmin, pelo prefeito da capital, João Doria, pelo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comercio, Marcos Pereira, e representantes da organização.

"Gostaria de destacar em relação ao Fórum, que nós já o sediamos em 2006. Foi um grande sucesso aqui em São Paulo", disse o governador. "É importante, um momento desafiador para o mundo inteiro", acrescentou.

"O evento está bem organizado do ponto de vista de conteúdo, terá uma alta representação de chefes de estado latino-americanos e, talvez, até de outras nações", defendeu Doria.

O Fórum Econômico Mundial (WEF) é uma organização internacional criada na década de 1970 em Genebra, na Suíça.

 
 
O prefeito João Doria e o governador Geraldo Alckmin em reunião no Palácio dos Bandeirantes (Foto: Livia Machado/G1)O prefeito João Doria e o governador Geraldo Alckmin em reunião no Palácio dos Bandeirantes (Foto: Livia Machado/G1)
 

Política

 

Alckmin e Doria foram questionados sobre o artigo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC) e publicado no domingo no jornal “O Globo”. No texto, intitulado “Hora de decidir”, o tucano defende a saída do PSDB do governo de Michel Temer (PMDB).

Doria não quis comentar, mas Alckmin respondeu que FHC "diz o que temos repetido". "O nosso compromisso é com as reformas, temos uma agenda reformista importante."

"Participar ou não de governo, isso depende do presidente [do partido], e depende dos próprios representantes que participam do governo. O nosso compromisso é com o Brasil. Com as medidas de interesse da nossa população. Nós teremos um congresso do PSDB no dia 8 de dezembro, e dia 9 a convenção nacional, que certamente, aí é um órgão deliberativo, é o momento para se rediscutir."

Alckmin, porém, evitou se posicionar objetivamente a respeito de um possível desembarque do governo Temer. "Nós sempre dissemos desde o início que o PSDB não precisava participar do governo para ajudar o Brasil, para aprovar as reformas, para votar favoravelmente as medidas que seja interesse do país".

Cogitado como alternativa à presidência do PSDB, Alckmin negou ser candidato e defendeu uma direção conjunta entre Tasso Jereissati e Marconi Perillo.

"Não sou candidato a presidente do partido, e vou ajudar para a gente ter aí uma boa direção partidária, uma boa executiva. Por que os dois não participarem da direção do partido?", sugeriu, referindo-se aos candidatos.

 

 

G1
Calendário de eventos
Dezembro
  • 20
    Workshop - Abrindo Mercados...
    OBJETIVOS:   Analisar e discutir procedimentos para a abertura...